quinta-feira, 14 de julho de 2016

Assim foi Auschwitz, de Primo Levi


Nesta obra Primo Levi e Leonardo de Benedetti contam, através de registos da época da libertação, como era efectivamente viver em campos de concentração, as atrocidades que se cometiam, como era feita a selecção à chegada, enfim, um rol de descrições violentas e chocantes que nos levam a pensar como é que esta chacina pôde ter lugar no século XX?
Um livro que celebra os 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial Em 1945, no rescaldo do fim da Guerra e da libertação dos campos de concentração pelas forças aliadas, o exército soviético pediu a Primo Levi e a Leonardo de Benedetti, seu companheiro de campo, que redigissem uma relação detalhada das condições de vida nos Lager. O resultado foi um dos primeiros relatórios alguma vez realizados sobre os campos de extermínio. Chocante pela objectividade e detalhe, tocante pela precoce e indignada lucidez, é um testemunho extraordinário daquela que viria a ser uma das vozes mais relevantes da antologia de memórias sobre o Holocausto. Assim foi Auschwitz recolhe esse relatório e vários outros textos de Primo Levi – inéditos até hoje - sobre a experiência colectiva do Holocausto, compondo um mosaico de memórias e reflexões críticas de inestimável valor histórico e humano, tão relevantes hoje, 70 anos volvidos sobre o fim da Segunda Guerra, como no tempo em que foram escritos.
Fonte: fnac.pt

Burnt


Brilhante. Adorei o filme, adorei o cenário de cozinha, adorei o stress e a euforia dos chefs na cozinha, adorei desde o primeiro minuto até ao último. Bradley Cooper é um actor de mão cheia, que pega naquele papel de chef perdido nos vícios mundanos e cria uma personagem forte, real e tão cheia.

Fiquei com vontade de pegar nos tachos e nas panelas e pôr-me a cozinhar pratos da moda.
Adam Jones é um célebre chef afectado pela fama que entra em colapso. Procurando refazer a sua vida pessoal e profissional, regressa a Londres e acaba tomando a dianteira de um restaurante de topo.
Fonte: mag.sapo.pt
Burnt no IMDB.

Youth



Um filme que começa por ser um pouco estranho e aborrecido mas à medida que a acção avança torna-se até agradável de assistir.
Fred e Mick são dois velhos amigos com quase oitenta anos que se encontram a desfrutar de um período de férias num hotel encantador, no sopé dos Alpes. Fred é um maestro e compositor aposentado, sem intenção de voltar à sua carreira musical que abandonou há muito tempo, enquanto Mick é um realizador, que ainda trabalha, empenhado em terminar o guião do seu mais recente filme. Ambos sabem que os seus dias estão contados e decidem enfrentar o seu futuro juntos. No entanto, mais ninguém para além deles parece preocupado com o passar do tempo.
Fonte: mag.sapo.pt
Youth no IMDB.

terça-feira, 5 de julho de 2016

O flagelo dos tempos livres

Perguntavam-me no outro dia o que fazia nos tempos livres. Tinha conversa para a tarde toda. Tantas coisas que gosto de fazer, outras tantas que efectivamente faço e mais umas quantas que estão em lista de espera. Se me perguntarem o que faço neste momento nos meus tempos livres, posso dizer que planeio viagens. Viagens baratas, em modo low cost que é assim que eu viajo. O orçamento é sempre curto, mas a vontade de conhecer equivale aos sonhos do maior euromilionário, então planeio tudo ao detalhe, procuro os locais de interesse, pesquiso opiniões, somo preços de bilhetes de avião ou de comboio a entradas em museus, encaixo tudo nos dias definidos e na sola das sapatilhas. Sou feliz a planear e era bem capaz de fazer disto vida se daqui viesse o meu rendimento. Nunca mais teria de trabalhar na vida, estes momentos de planeamento seriam felicidade minha. Posso nunca vir a visitar estes sítios, posso nunca tirar os planos do papel, mas enquanto os faço sou eu mesma, sou feliz.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

2016 - Maio

Celebrar

Celebrámos o nascimento e a vida neste mês de Maio tão cheio de celebrações, celebrámos dois anos de uma felicidade até então desconhecida, juntámos família, amigos e amigos que são como família e fizemos uma grande festa em torno da amizade e da entreajuda.
Celebrar foi palavra de ordem em Maio.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

2016 - Abril

Arrumar

O mês de Abril foi claramente de arrumações, foram caixotes e caixotes que permaneciam na garagem à espera de vez que foram sendo arrumados devagarinho nos devidos lugares.
Arrumei ainda com algumas questões que ainda me faziam comichão.
Arrumei e arrumei-me.

domingo, 17 de abril de 2016

Still Alice


Alice Howland (Julianne Moore) é uma famosa professora de linguística, que começa a notar alguns problemas de memória, começam-lhe a falhar as palavras, o seu objecto de estudo de tantos anos.
Aos poucos Alice apercebe-se que algo não está bem e é-lhe diagnosticada Alzheimer aos 50 anos de idade.
O estado de Alice deteriora-se de dia para dia e é comovente ver como a família, e especialmente ela própria, luta para se manter a Alice que sempre foi.
Aterrador e comovente, são as melhores palavras para definir este filme.
Alice Howland, uma mulher de 50 anos, com um casamento feliz e três filhos já adultos, é uma reconhecida professora universitária de linguistica que começa a esquecer palavras... Quando lhe são diagnosticados sinais prematuros de Alzheimer, Alice e a sua família vêm os seus laços arduamente testados. A luta de Alice para manter a ligação à pessoa que sempre foi é assustadora, comovente e inspiradora.
Fonte: mag.sapo.pt
Still Alice no IMDB.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Gone Girl


Um filme inesperado, é assim que me apraz classificar "Gone Girl". Nick Dunne (Ben Affleck) e Amy (Rosamund Pike) vivem há 5 anos um casamento que está longe de ser um sonho, os problemas financeiros, a inércia e a falta de objectivos tornou aquele casamento numa sombra daquilo que um dia foi, em tempos longínquos.
Há um dia que Amy desaparece e Nick vê-se a braços com todo um conjunto de acusações contra a sua "perfeita" esposa juntamente com uma exposição mediática fora de comum.
É de facto um filme surpreendente, bem construído e com boas interpretações.

No quinto aniversário de casamento, Nick Dunne relata que a sua bela esposa, Amy, desapareceu. Sob a pressão da polícia e com um barulho ensurdecedor causado pelos media, o retrato da união feliz de Nick e Amy começa a desmoronar-se. Rapidamente, as mentiras, os enganos e os comportamentos estranhos de Nick fazem com que todos questionem: Será que Nick Dunne matou a sua mulher?

Fonte: mag.sapo.pt
Gone Girl no IMDB.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Um Casamento de Sonho, de Domingos Amaral


Este livro de Domingos Amaral retrata a violenta crise económica que se abateu sobre Portugal e sobre a Europa no início da década de 2000. Um grupo de amigos bem posicionados socialmente e com uma almofada financeira bastante boa vê-se a braços com um aglomerado de dívidas e dúvidas que se propagam além da conta bancária e afectam a vida pessoal e social do grupo.

Viver acima das possibilidades (com o patrocínio da banca), ou não saber descer de nível de vida quando foi preciso, foi um claro erro de muitos portugueses que contraíram dívidas astronómicas e viram a vida que tinham esfumar-se.

O livro mostra-nos uma perspectiva interessante (e quiçá um pouco exagerada) da realidade que foi lidar com a crise nas famílias mais abastadas e que só tomaram consciência que esta estava instalada quando já não conseguiam pagar as contas e tiveram de começar a vender o património.
Quando na economia crescem as dívidas, no amor crescem as dúvidas. Foi a crise económica a culpada do falhanço do casamento de Leonardo e Constança, ou havia razões mais profundas e secretas? Confrontado com a notícia de um terrível acidente no Brasil, onde estão Constança e os seus filhos, Rita e Leonardinho, o melhor amigo de Leonardo vai acompanhá-lo numa difícil viagem à Baía. É durante esse voo que Rafael se irá recordar de como tudo começou, com a majestosa festa de casamento dos seus amigos, na quinta da família de Constança, no ano de 1998. Quase vinte anos de memórias da vida de um grupo de amigos são percorridos, desde os tempos em que eram mais novos e acabados de se formar nas universidades, passando pelos casamentos e pelos nascimentos dos filhos, pela época eufórica em que o futuro era risonho e todos viviam bem, moravam em excelentes casas e viajavam pelo mundo felizes, até aos dias em que a felicidade começou a ruir, os casamentos a falhar, as traições a surgir, e a crise económica a gerar falências, dívidas e desilusões.
Fonte: fnac.pt

2016 - Março

Visitar

Apesar de Março ser o mês de visitar, apenas fomos visitar os primos da Madeira. Desde que os primos assentaram arraiais na nossa pérola atlântica, long long time ago, que não falhamos a visita anual, são visitas quase de médico, ir agora e vir daqui a pouco, mas são quebras de rotina muito saudáveis, tanto para nós, como para os miúdos que adoraram encontrar-se, correr e brincar. Pela primeira vez achei a Madeira com uma temperatura muito baixinha, vesti-me como no continente e nunca tive uma pontinha de calor. E que saudades eu tinha de uma ponchinha na Serra d'Agua...

quarta-feira, 30 de março de 2016

Já dei sangue!


E já foi há uma semana!

Update: acabei de receber uma SMS a informar-me que o sangue que dei já foi utilizado num paciente. É ou não é um motivo para ficar a sorrir? Daqui a uns meses estou lá outra vez...